A homeopatia no tratamento da disfunção erétil

A disfunção erétil é um problema muito mais comum do que imaginamos. Estima-se que cerca de 30% dos homens no mundo sofram com disfunção erétil em algum nível, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A expectativa é que o número piore ao longo das décadas por conta do sedentarismo, consumo de alimentos processados, elevados níveis de stress e outras características do estilo de vida nada saudável que muitos mantêm.

Os números são uma estimativa. Se considerássemos apenas os casos oficialmente registrados e tratados, os dados seriam imensamente subestimados. O estigma associado à doença leva muitos homens a não procurarem ajuda médica.

homem que sofre com disfunção erétil sentado na beira da cama e preocupada após não conseguir ter uma ejaculcação

Casais em todo o mundo sofrem com o impacto na vida pessoal, familiar e social causado pela impotência sexual. A vergonha em reconhecerem a doença, a falta de conhecimento e o receio em relação aos tratamentos disponíveis levam muitos homens a sofrerem em silêncio.

Precisamos de falar sobre o assunto. O primeiro passo para ajudar quem sofre com o problema é informar, mostrar que a disfunção erétil é muito mais comum do que se pensa e que há tratamentos. Alguns deles não são invasivos, não possuem contra indicações e têm eficácia comprovada, como é o caso do homeopático.

Neste artigo vamos abordar:

  • O que é disfunção erétil?
  • Causas
  • Fatores de risco
  • Tratamento homeopático para a disfunção erétil
  • Medicamentos homeopáticos para tratar a disfunção erétil

O que é a disfunção erétil?

A disfunção erétil, também conhecida como impotência sexual masculina, é uma condição em que não é possível obter ou manter uma ereção por tempo suficiente para ter relações sexuais satisfatórias.

Os sintomas da disfunção erétil são a ausência completa de ereção, uma ereção incompleta ou a incapacidade de sustentar a ereção por tempo suficiente para ter relações sexuais. Por tratar-se de uma condição permanente, uma falha ocasional na ereção não configura a doença.

Para compreender a disfunção erétil, é necessário perceber como ocorre uma ereção. De forma resumida, quando o cérebro recebe estímulos sexuais, o pénis enche-se de sangue e, se saudável, fica rígido e aumenta de tamanho.

Todo este processo de transformação é resultado de uma sequência de reações coordenadas pelo sistema nervoso autónomo. Uma falha nesse mecanismo pode causar a disfunção erétil.

O que causa a disfunção erétil?

Como a ereção depende de um complexo mecanismo para ocorrer, a impotência sexual pode estar relacionada a diferentes doenças. E, para tratá-la, é mandatório descobrir a sua causa.

São as causas mais comuns da disfunção erétil:

  • Distúrbios psicológicos;
  • Doenças hormonais;
  • Doenças neurológicas;
  • Doenças vasculares, que causam entupimento das artérias e veias, prejudicando a chegada do sangue ao pénis;
  • Consumo excessivo de medicamentos, álcool, tabaco e outras drogas.

Leia também: A homeopatia no tratamento da ansiedade

Fatores de risco

Os fatores de risco para a disfunção erétil são os mesmos de doenças cardiovasculares, como o enfarte e o derrame. Isto porque deve ocorrer um grande aumento do fluxo de sangue para que o pénis fique ereto. Se a circulação de sangue estiver comprometida, a ereção também pode ficar.

Os principais fatores de risco para a disfunção erétil são:

  • Idade: apesar de a incidência do problema aumentar com a idade, o envelhecimento em si não constitui uma causa de disfunção erétil, mas sim as patologias que podem surgir com a idade.
  • Problemas psicológicos e emocionais: depressão, ansiedade, problemas amorosos e stress.
  • Drogas: consumo abusivo de álcool, uso de anabolizantes, medicamentos, tabaco e outras drogas.
  • Procedimentos médicos e cirúrgicos: a cirurgia para a retirada da próstata e a radioterapia pélvica, por exemplo, podem causar lesões nos nervos. Em muitos casos, no entanto, os danos são temporários.
  • Problemas hormonais: diabetes, baixos níveis de testosterona (hipogonadismo), hiperprolactinemia e problemas na tireoide.
  • Problemas neurológicos: doenças que afetam o cérebro (como Alzheimer e Parkinson), a medula ou os nervos periféricos.
  • Hipertensão, sedentarismo, obesidade e colesterol alto.

Como a homeopatia trata a disfunção erétil

Apesar de muitos homens terem dificuldade em falar sobre o problema e buscar tratamento, a disfunção erétil é tratável.

O primeiro passo é descobrir a causa do problema. Assim, trata-se a causa e, consequentemente, a ereção deve normalizar.

A homeopatia pode curar a doença por completo e de forma permanente ao tratar o indivíduo como um todo. É feita uma avaliação detalhada do paciente, desde os aspectos físicos e psicológicos, aos sociais, emocionais e espirituais.

Um método bastante eficaz para a identificação da causa e posterior tratamento do problema é a Biorressonância. Trata-se de uma tecnologia capaz de identificar distúrbios através dos desequilíbrios energéticos que os causam.

O equipamento de Biorressonância faz uma avaliação do corpo de forma não invasiva, indolor e sem efeitos colaterais, com o uso de sensores conectados ao cérebro.

O resultado é uma análise tridimensional dos órgãos, tecidos e células, permitindo diagnósticos e recomendações, a guiar o seu homeopata na escolha do tratamento ideal.

Medicamentos

remédio homeopático

Os remédios homeopáticos mais comuns no tratamento da disfunção erétil são:

  • Agnus castus: Remédio homeopático para tratar a impotência sexual com depressão após excessos sexuais, desejo sexual diminuído, ansiedade sobre a saúde, memória fraca etc.
  • Caladium seguinum : também recomendado para tratar a depressão para desejo sexual insatisfeito. Este medicamento pode ser especialmente benéfico para homens que têm desejo sexual, mas não conseguem uma ereção.
  • Selenium: indicado para homens que têm ereção lenta e muito fraca. O Selenium também é indicado para outros problemas comuns em homens, como inflamação e aumento da próstata e fadiga após ejaculação.
  • Lycopodium: Falta de ereção quando excitado ou ereção incompleta durante o coito, ejaculação muito rápida ou falha durante o coito. Doenças hepáticas com distensão do abdômen.
  • Nuphar luteum: utilizado principalmente por homens que perderam total interesse em atividades sexuais. O medicamento aumenta a vitalidade e previne a perda involuntária de esperma e dos seus nutrientes.
  • Argentum nitricum: indicado para pacientes impulsivos, com ansiedade por antecipação, com problemas psicológicos que dificultam a ereção.

Como cada indivíduo é único, o tratamento pode diferir bastante de um paciente para outro. Além disso, existem muitos outros remédios homeopáticos que, apesar de não serem específicos para a disfunção erétil, podem atuar muito bem.

O homeopata observa o indivíduo no seu todo, os seus sintomas físicos, o seu estado mental, emocional, independentemente da doença.

Isso permite fazer uma análise profunda e individualizada na busca do remédio mais adequado e único “similimum”, segundo o princípio homeopático da similitude1 .

O remédio irá restaurar a energia vital do organismo, promovendo o equilíbrio e conduzindo à recuperação da saúde.

Se sofre de disfunção erétil, agende já a sua consulta para conhecer o tratamento mais indicado para o seu caso.

Para saber mais sobre Homeopatia, siga-nos no Facebook e Instagram.

1 Princípio da Similitude:  Segundo o princípio de Hipócrates: “similia similibus curantur”, que significa “O semelhante cura o semelhante”, ou seja, as manifestações causadas no corpo de uma pessoa saudável que ingeriu determinada substância são registadas para que essa mesma substância seja receitada quando um paciente relatar os mesmos sintomas. Inerente ao princípio da similitude, encontramos outra premissa fundamental da homeopatia: cada indivíduo apresenta uma forma diferente de reação face a um determinado estímulo, bem como localizações específicas diferentes das ditas reações, devido às suas características biológicas particulares. Para compreender este princípio, a Homeopatia diz que a “doença” não é mais do que a resposta do organismo para encontrar um equilíbrio biológico que foi perdido devido a uma causa perturbadora. Este princípio conduz inevitavelmente à individualização da terapêutica homeopática, já que cada indivíduo apresenta os seus próprios modos de reação e local de menor resistência (locus minoris resistentiae).

Partilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.